*FALA BAIXO senão EU GRITO*


Sexta-feira , 29 de Dezembro


Use! mas não abuse.

Se coisas foram feitas pra serem usadas e pessoas nascidas para serem amadas, por que é que nós amamos tantas coisas e usamos tanto as pessoas?

Tá tudo errado, meu Dues, tudo errado.....

Escrito por *Polvorinha* às 21h46
[ ] [ envie esta mensagem ]

Terça-feira , 05 de Dezembro


...E o pulso ainda pulsa...

Escrito por *Polvorinha* às 23h56
[ ] [ envie esta mensagem ]

Sexta-feira , 24 de Novembro


Ele disse gostar das desonestas.  Ela tão pouco se assustou e ainda afirmou que desonestidade às vezes é bom, cabe aqui ali e em qualquer lugar, até na cama. Ele admirado apenas expressou um " gosto disso "... Entre tantas palavras e perguntas, aqueles dois estranhos vão se envolvendo aos poucos, com sutileza e um tanto de erotismo... entre céus de bocas, corações penduricalhos e um banho de papilas.... A tua língua alcança o céu?- peguntou ele.,- Vem cá......! ( digo eu.... ), que eu te mostro e ainda abro meu coração-penduricalho e te mostro o que tem dentro dele, ambos os lados, de dentro e de fora.

Escrito por *Polvorinha* às 20h31
[ ] [ envie esta mensagem ]

Domingo , 19 de Novembro


Além do mais




Além do mais é um despropósito, chamar Deus, para as nossas necessidades. Mostra de arrogância e despeito, num todo bem característico, do ser humano, que assim diz de sua fraca capacidade estrutural, para suportar o peso, de ser a única espécie animal, com maiores e reais probabilidades evolutivas, da genésica ordem natural. 
Ao contrário das restantes espécies primárias, essas sim bem mais evoluídas, por aceitarem a sua bestialidade, a espécie humana é todo um retrocesso evolutivo, à escala universal. Desengane-se, quem assim não leve seu pensar!
E é tão mais verdade, isto que digo – deprimente –, quanto mais o homem adentra-se, e é morto porque se omite e, omitindo-se, põem mentira, nas mãos de Deus. 

Escrito por *Polvorinha* às 15h44
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quarta-feira , 15 de Novembro


De como eu reajo aos meus dias ou acreditar em cavalo branco e dores que não passam...

   Jamais concordei com o espelho, a rixa já vai mais longe do que me dou por gente. Ele mostrava uma menina, eu via uma feiticeira cheia de encantos, não eram vassouras! Ele insistia que era um menina, eu via uma princesa, já sem a torre, mas a espera da príncipe e seu cavalo branco, que ele teimoso também exibia menino. Foi-se o tempo, que um dia deixei o espelho de lado; irritada ele mostrou-me o mundo, como a me dar noção de que o que eu via não era nada, mas eu, eu via uma mulher. Hoje ao abrir a caixa de pandora da minha infância, entre o a boneca e as sapatilhas, estava o espelho. Curiosa, sem guardar mágoa, assoprei-lhe o pó que os anos depositaram sobre seu refletir e espiei-me. Ah, este espelho que nunca muda! Mostrou-me uma mulher madura, cheia de si, sabedora de suas dores e amores,com ares de doutora experimentada da vida e eu, pela primeira vez, vi uma menina!

Saudades

Decepciona-me a dor, que não dói até o porão da alma até o limite do nada, pois dela hei de purgar-me, e só se for por amor. Extirpando todo esse doer, só por valer a pena viver. Viver a intensidade de sofrer por amar, viver a conquista, e o momento de perder-me nos limites dos sentimentos, embriagar-me no ócio dos momentos, naquele instante aonde até a recordação da dor é viver. Sentir a profundidade e o martírio de ter vivido tudo aquilo, e só ter restado isso, um fragmento de recordação. Uma migalha e um tanto de coração, capaz de infligir essa dor que na verdade não dói tanto assim. Porque amor dói. Dói quando começa, dói quando acaba. Dói também quando tudo é calma, só porque é tão intenso, que não cabe na lógica, e consome-se na eternidade de um minuto. Como se o tempo, esse estatuto, brincasse com essa dor, que tanto dói em mim. Mas passa...

(In)certezas

Sempre cingirei os amores secos,
Que os frutos me sonegam,
Ou então me perderei vão nos tortuosos caminhos
Dos amores selados pelos afoitos Bandeirantes
Das ansiosas moças...
Inda que quebradiços, seguros, contudo;
Seguros, sim, pois certos, palpáveis...

Que há de prevalecer?...

Mãe?...

Amante!...

Lírico?...

Não!...

Biológico!

E eu ainda me recordo de baldes coloridos, corações penduricalhos, desejos, óculos escuros, semi-sorrisos e céu-de-bocas...

Escrito por *Polvorinha* às 00h14
[ ] [ envie esta mensagem ]

Domingo , 05 de Novembro


*

"O transporte coletivo é bastante

Eficiente aqui...

Próxima parada, por favor"

Moço. Instigantemente o máximo, sim senhor. Beijo em céu de boca!

Escrito por *Polvorinha* às 22h08
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quarta-feira , 01 de Novembro


Para o moço de São Paulo...

O vai-e-vem na avenida. O metro quadarado mais caro da capital. A beleza no Trianom, O passeio de metrô com amigos do interior do estado que jamais estiveram lá. A rua-formigueiro e as lojas cheias de caminhões-de-mesmas-coisas. O calor. Os mais variados sotaques. Essas coisas todas me instigam. São como combustível para mim. A garoa que para mim é benção do "céu-da-boca" de alguém(quem?), o frio cortante e o vento, que brinca de desmanchar cachos feitos à custa de muito "baby-lyss", deixando meus cabelos naturalmente lisos, escorridos e louros, da cor do ouro daquele meu coração-penduricalho. São Paulo tem um quê de nostalgia pra mim, uma sensação de "já-vivi-isso" que é uma constante... A lembrança daquela conversa ultra-mega-pluss rápida no msn, antes do moço pegar a estrada, pra frear a vida no fim de semana e, querer dizer tanta coisa  e tudo ao mesmo tempo e agora e esquecer de dizer o mais importante... Saio desse devaneio e volto pra real do agora, sentada de frente pra estação Brigadeiro ( uhmmm, um beijo seu agora... ai. ), conversa tranquila com os amigos, cerveja gelada, gargalhadas e olhares: A vida em Sampa é mesmo uma caixinha de surpresas e os meus amigos não imaginam o que a minha mente busca.

Tô perdida neste emaranhado de pensamentos. Àquelas palavras curtas dele me deixaram de joelhos, como se fizesse uma prece para que ele voltasse logo... Venha e me reencontre e, que não seja preciso nem cerol, nem prece, apenas aconteça....

Não tô falando mais LÉ com CRÉ... é vc moço, quem faz isso comigo, q rouba minhas idéias e as transformam em desejos...

Voltei pra Americana, deixando pra trás a São Paulo dos meus devaneios, meus desejos e de um céu de boca quase estrela empinando meu coração-penduricalho...

Entendeu alguma coisa, moço? Não?!

Nem eu!!!

Mas uma coisa é certa: 132 km... apenas..., um beijo pra você moço, q desde sempre me encanta com sua poesia...

 

Escrito por *Polvorinha* às 16h48
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quarta-feira , 25 de Outubro


................SIM..........................

"...Me olhas,de perto me olhas,
cada vez mais de perto e então brincamos de cíclope. Olhamo-nos cada vez mais de perto
e nossos olhos se tornam maiores se aproximam entre si.Sobrepõem-se e os cíclopes se olham,
respirando confundidos, as bocas encontram-se e lutam debilmente, mordendo-se com os lábios, apoiando ligeiramente a língua nos dentes, brincando nas suas cavernas onde um ar pesado vai e vem com um perfume antigo e um grande silencio. E eu pergunto de que vida nos conhecemos? De onde vem esse cheiro, essas mãos que tocam nos lugares certos, como se já conhecessem os "caminhos" de outros caminhos? De onde vem essa boca que suga da minha ( aliás, das duas ) toda a essência e conhece minha língua como se dela fizesse parte? Onde foi que meus olhos cruzarem os teus e neles permaneceram, tendo-os como mapas? E esse desejo, que é brasa-viva, ardente, pulsante, que percorre meu corpo, fazendo dele pára-raio? De onde vem essa certeza de que lhe conheço tanto, me conheces muito se, sequer saimos dessa "virtualidade" quase mortal?

As linhas que escreves não são para mim, mas eu me sinto inteira em cada palavra, cada vírgula.  É como se eu fosse ELA, a "dona" de cada devaneio teu, cada desejo, cada loucura, cada entrega. Devaneio meu? É. Pode até ser mas, loucura mesmo seria eu deixar passar em branco esse tesão que me invade cada vez que eu vou lá na "tua" casa e me deparo comigo mesma nas entrelinhas, mesmo não sendo eu a dona deste céu. Sim, eu tenho um coração-penduricalho, quase estrela... Me mostra a tua boca-céu?

E se perguntares novamente, a resposta é SIM!!!

Escrito por *Polvorinha* às 22h18
[ ] [ envie esta mensagem ]

Domingo , 22 de Outubro


Se por um instante,

Um arrepio pecorrer teu corpo e

Seu coração bater descompassado

Não se preocupe

A culpa é toda minha

Sou eu...

Pensando;

Querendo e

Desejando você!!!

Estou à beira de um lago. Atiro pedras no céu ora refletido nele. Posso ver nos desenhos d´água, estrelas deste teu céu de um azul-anil. Quero voltar a percorrer este caminho bifurcado, que brinca de esconde-esconde comigo, e muda o sentido das placas indicativas, me levando às vezes e por que não sempre, - se sempre acabo perdida, à lugares jamais visitados antes... Piso teu coração. Não tenho intenção de machucá-lo. Mas não posso prometer que não sairá arranhado. Coração é solo deserto, ainda mais um coração-penduricalho. Seu coração é pingente? Seu coração tá carente? Seu coração tem dona(o)?

 

 

 

Escrito por *Polvorinha* às 00h20
[ ] [ envie esta mensagem ]

Terça-feira , 17 de Outubro


ME CALO EM VOCÊ.

Se me deixar eu falo... quero deixar minhas palavras tomarem conta do mundo. Se permitir eu fico por toda a vida ou por pouco tempo. Te permito escolher por uma noite ou mil e uma, odalisca, feiticeira, fada... o que será que você prefere? Se me deixar eu falo. Calo a minha boca na tua e sem armaduras te deixo vencido. Enfrento essa luta contigo, domino e ganho você pra mim. Se me deixar eu falo com todos os meus sentidos e juro te deixar perdido sem saber por onde sair. Se me deixar... eu falo... até escrevo...com todas as sílabas e letras esses nossos encontros vocálicos. Não haverá hiatos, nem verbos intransitivos. Tudo se fará permitido... Me deixa calar em você? E eu te mostro como é conjugar o verbo. O verbo da carne. Viva e pulsante. Que cala e escancara. E te mostra a minha alma nua, esse "coração-penduricalho" morno, precisando de fogo. A alma não precisa do fogo. O desejo nela habita. A fogueira está sempre acesa. Brasas vivas. Me deixa calar em você o que eu sinto agora. E eu te mostro estrelas cintilantes, quase cadentes, semi-foguetes a festejar o fim neste teu céu.... Instigante céu da tua boca. E eu calo o verbo e libero o fogo que agora pouco O CÉU me devolveu. Cala em mim?

Escrito por *Polvorinha* às 22h26
[ ] [ envie esta mensagem ]

Sexta-feira , 13 de Outubro


Senhor:

 Livra-nos, se puderes das angústias sem fim, das noites de insônia,dos sonhos possíveis que se tornam impossíveis.

Livra-nos do assédio dos fracos, da inconstância das coisas e das pessoas, do medo sem motivo, das confissões excessivas e do sucesso, que tira nossa liberdade e é capaz de iludir os mais sagazes. Amém!

Escrito por *Polvorinha* às 23h36
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quinta-feira , 05 de Outubro


Encontro Marcado.

Toda semana, quando ele passa pela calçada, eu estou aqui, na saída da faculdade. rindo com meus amigos, mas sem desviar os olhares do olhar dele. Ele me olha com seu olhar superior como se disesse: "Não se enxerga, criatura? Um tipo como você, não me serve nem para capacho!"

Ao deixar meus amigos, faço o caminho mais longo, caminho pela rua mais escura, como se me esquecesse que deixei o carro no estacionamento da faculdade. Sinto sua presença. De repente, sinto mãos que me entrelaçam e me arrastam para aquele beco sujo, frio e escuro. Eu sei o que vai acontecer.

Ele rasga o  meu vestido deixando meus seios nús, joga-me ao chão e atira-se sobre meu corpo, como se eu já lhe pertencesse, como se já conhecesse todos os "caminhos"... Ele me  aperta, beija, morde meus seios, suas mãos rasgam minha calcinha e me invadem... Eu reluto. Juro. Mas só por uns ínfimos instantes, quase incontáveis..... gosto dessa invasão. Dou-lhe a certeza de que estou gostando e me entrego, mais e mais... Então ele me penetra cada vez mais fundo e com mais força até que eu comece a gritar de prazer. E ele me diz com aqueles olhos que me enlouquecem:-"Diz agora que eu não sou o bastante para você, sua putinha mimada!" - e eu respondo:-"Sim!!! Você é o melhor!!!

E, depois de tudo, ainda beijando meu ventre e acariciando meus seios, ele me implora quase em soluços: -"Te amo tanto, te quero tanto, eu te peço, sejas minha, por favor!"

E como acontece toda maldita semana, eu insisto em apenas dizer;-"NÃO! NUNCA!" E me visto com o que sobrou daquele vestido branco, ajeito o cabelo, olho pro relógio e caminho de volta em direção ao estacionamento. Já é tarde.

E você, como sempre, fica ali. Sentado, olhando meu vulto desaparecer na escuridão. E eu só ouço ecoando pela rua, seu grito-súplica:-"Posso te esperar a semana que vem???"

Eu não preciso responder. Você já sabe a resposta. Há exatos 2 anos.

Te espero a semana que vem.... com o mesmo sorriso e a mesma resposta. VEM...

Escrito por *Polvorinha* às 23h19
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quinta-feira , 28 de Setembro


Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém. Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim e ter a paciência para que a vida faça o resto, a emoção que existe dentro de você é a sua atitude para com os outros, porque algumas imagens promovem sensações sem necessitar de legendas formuladas...

Eu sou quem sou e o que sou por meu próprio mérito, consequência, escolha, herança, busca, teimosia, doçura, arte e uma vontade enorme de ser melhor a cada dia exatamente por tudo isso que acabei de escrever...

E o mais importante e verdadeiro a meu respeito:
"Para algumas pessoas valerá muito à pena me conhecer, e se perguntarem de mim, dirão maravilhas a meu respeito....
Já outras, com certeza, passarão a vida toda desejando não terem me conhecido e, se perguntarem algo sobre minha pessoa, dirão horrores....
E eu lhes digo que ambas, felizmente, estarão corretas!

No quê eu acredito:

Não sou uma mulher complicada... longe disso.... continuo me orgulhando das minhas escolhas, por que, mesmo erradas, SÃO AS MINHAS ESCOLHAS... e vou repetir tudo de novo, em breve... A BOEHMIA GELADA, O PASSEIO À PÉ PELAS CALÇADAS, O BORBURINHO DA MULECADA NAS MESINHAS DO LADO DE FORA, NOSSOS BEIJOS NA BOCA QUE INSTIGAM A ALMA, E LÁ PELAS TANTAS....NOSSA CAMA REDONDA E A ÁGUA QUENTE.....

Escrito por *Polvorinha* às 22h49
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quarta-feira , 27 de Setembro


Pessoas mais ou menos!!!!

O que a gente não pode
mesmo, nunca, de jeito nenhum,
é amar mais ou menos,
é sonhar mais ou menos,
é ser amigo mais ou menos,
é namorar mais ou menos,
é ter fé mais ou menos,
é acreditar mais ou menos...
Senão a gente corre o risco de se tornar
uma pessoa MAIS OU MENOS..."

CHICO XAVIER

Desculpem a acidez..... mas é que tem um homem/banana intalado na minha guela..... tô cuspindo fora!

Botão do FODA-SE!!! ligado no 220 e sai da frente!!!! Porque de MAIS OU MENOS eu NÃO TENHO NADA, sou pequenininha, mas SOU INTEIRA!!!!

 

 

Escrito por *Polvorinha* às 20h53
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quarta-feira , 20 de Setembro


.... Enquanto vc não vem....

 

"O tempo é muito lento para os que esperam;
muito rapido, para os que têm medo;
muito longo, para os que lamentam;
muito curto, para os que festejam;
mas,para os que amam, o tempo é eterno..."

Shakespeare

E eu não preciso dizer mais nada....

Escrito por *Polvorinha* às 16h28
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Perfil



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, AMERICANA, WERNER PLAAS, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Livros, Descobrir pessoas. Descobrir o Universo.
MSN - melissa-maulle@hotmail.com